Home / Animais / Animais Extintos Que Podem Voltar a Vida

Animais Extintos Que Podem Voltar a Vida

Esse tema envolve uma grande controvérsia. Porque o homem quer se preocupar tanto em trazer de volta a vida animais que estão extintos em sua maioria por culpa do próprio homem? Se há tanto interesse em preservação da espécie, porque não usam tais recursos e esforços em preservar os que ainda existem?

Existe uma discussão intensa e significativa sobre o tema. Os críticos afirmam que os esforços seriam mais bem gastos conservando as espécies existentes, que o habitat necessário para as espécies anteriormente extintas sobreviverem é muito limitado para garantir a sobrevivência, e que os benefícios evolutivos de conservação dessas operações são questionáveis.

Enquanto o homem insiste em brincar de deus para alimentar seu ego e mania megalomaníaca, e enquanto essas discussões se prolongam infindavelmente sem definições realmente proveitosas, citamos no artigo aqueles animais que já se encontram, pode-se dizer assim, em testes de laboratórios para a “ressurreição”…

Mammthus Primigenius

A existência de restos de tecidos moles preservados e DNA de mamutes lanosos (ou mamutes lanudos) levou à idéia de que a espécie poderia ser recriada por meios científicos. Dois métodos foram propostos para conseguir isso.

A primeira é a clonagem mas mesmo os mamutes mais intactos tiveram pouco DNA utilizável devido às suas condições de preservação. Não há o suficiente para orientar a produção de um embrião. O segundo método envolve a inseminação artificial mas o ultra-congelamento é um obstáculo a esse método.

A técnica utilizada então consiste em reviver o mamute lanoso por migrar genes do genoma do mamute para os genes de seu parente vivo mais próximo, o elefante asiático, para criar animais hibridizados com as adaptações notáveis ​​que ele tinha para viver em um ambiente muito mais frio do que nos dias atuais dos elefantes.

Os cientistas já fizeram mudanças no genoma do elefante com os genes que deram do mamute lanoso: seu sangue resistente ao frio, cabelos mais longos e uma camada extra de gordura. Um raro mamute lanoso ou híbrido mamute-elefante pode encontrar um habitat adequado nas ecozonas da floresta da tundra e da taiga, e também pode encontrar refúgio no Pleistocene Park, uma experiência de habitat que imita as condições existentes na época do mamute lanoso.

Capra Pyrenaica Pyrenaica

O íbex dos Pirenéus era uma das quatro subespécies originais da capra pyrenaica que percorriam a península ibérica. No entanto, enquanto era abundante durante os tempos medievais, a caça excessiva nos séculos 19 e 20 levou ao seu desaparecimento.

Em 1999, apenas uma única fêmea chamada Célia foi deixada viva no Parque Nacional de Ordesa. Cientistas a capturaram, pegaram uma amostra de tecido de sua orelha, a colocaram em um colar, e então a libertaram de volta à natureza, onde ela viveu até que ela foi encontrada morta em 2000, tendo sido esmagada por uma árvore caída.

Em 2003, os cientistas usaram a amostra de tecido para tentar clonar Célia e ressuscitar as subespécies extintas. Tentativas foram feitas, sem muito sucesso, e um problema a ser enfrentado, além dos muitos desafios da reprodução de um mamífero por clonagem, é que somente as fêmeas podem ser produzidas clonando a fêmea individual Célia, e não existem machos para essas fêmeas se reproduzirem.

Isto poderia potencialmente ser abordado pela criação de clones femininos com o íbex de Beceite, intimamente relacionado e, gradualmente, criando um animal híbrido que eventualmente terá mais semelhança com o íbex dos Pirenéus do que o íbex de Beceite.

Bos Primigenius

O uruz, ou melhor, os auroques eram difundidos em toda a Eurásia, norte da África e subcontinente indiano durante o Pleistoceno. No entanto, a caça excessiva dos auroques por nobreza e realeza extinguiu sua população e o último sobrevivente, uma fêmea, morreu de causas naturais em 1627.

No entanto, porque o auroque é ancestral das raças de gado mais modernas e tem parentes próximos em raças de gado primitivas, é possível que ele (ou uma substituição ecológica superficial) seja trazido de volta através de seleção artificial.

Dois projetos atuais concorrem na tentativa de recriar os auroques, um através da criação seletiva de raças de gado primitivas e o outro através de uma estratégia de melhoramento e de edição genômica.

Espera-se que os novos auroques revigorem a natureza europeia, restaurando o seu papel ecológico como uma espécie-chave, e tragam a biodiversidade que desapareceu após o declínio da megafauna europeia, bem como ajudando a trazer novas oportunidades econômicas relacionadas com a vida selvagem europeia.

Equus Quagga Quagga

O Quagga é uma subespécie da zebra das planícies que era distinta na medida em que era listrada em sua face e parte superior do tronco, mas seu abdômen traseiro era um marrom sólido. Foi eliminado na natureza devido à caça excessiva ao esporte, e o último indivíduo morreu em 1883 no zoológico de Amsterdã. No entanto, uma vez que é tecnicamente a mesma espécie que a zebra das planícies sobreviventes, argumenta-se que o quagga pode ser revivido através da seleção artificial.

As tentativas começaram a partir de 2014 e, em 2016, havia 6 espécimes que foram produzidos por meio de cruzamentos seletivos e esses animais já eram idênticos aos quaggas, mas provavelmente com um código genético diferente.

Thylacinus Cynocephalus

O tigre da Tasmânia é nativo da Austrália continental, Tasmânia e Nova Guiné. Acredita-se que tenha se extinguido já que tornou-se extremamente raro e já considerado extinto apesar dos avistamentos ainda relatados, embora nenhum tenha sido provado conclusivamente.

No final de 2017 foi noticiado que o genoma nuclear completo do thylacine havia sido sequenciado com sucesso. O genoma foi reconstruído mapeando o genoma do thylacine ao de um de seus parentes vivos mais próximos, o diabo da Tasmânia, e gerando uma montagem baseada em referência do genoma nuclear completo. Os cientistas afirmam que o próximo passo agora será criar um genoma funcional, que exigirá extensa pesquisa e desenvolvimento, estimando que uma tentativa completa de ressuscitar a espécie pode ser possível já em 2027.

Ectopistes Migratorius

O pombo passageiro chegou a bilhões antes de ser eliminado devido a caça comercial e perda de habitat. Mas uma organização sem fins lucrativos se concentra agora na identificação de mutações no DNA que causariam uma diferença fenotípica entre o pombo de passageiros extinto e seu parente vivo mais próximo, o pombo de coleira branca. Ao fazer isso, eles podem determinar como modificar o DNA do pombo de coleira branca para alterar as características e assim imitar as características do pombo passageiro.

Neste sentido, o pombo recriado não seria geneticamente idêntico ao pombo de passageiro extinto, mas teria as mesmas características. Espera-se que o híbrido de pombo de passageiros extinto, porém, esteja pronto para reprodução em cativeiro até 2024, liberado na natureza até 2030.

Veja também

Espécies De Cobras Em Florianópolis

As serpentes ou cobras, como são mais conhecidas aqui no Brasil, são animais pertencentes a …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *